Tempestades na vida – todos nós já passamos, estamos passando ou passaremos.

Há vários exemplos de tempestades:
Exemplo 1 – Aquela dorzinha incômoda, o médico diz: “Precisamos fazer mais exames, está meio estranho”. De repente, aquele diagnóstico terrível!

Exemplo 2 – O filho começa a ter atitudes estranhas, andar com pessoas de má fama. De repente, ligam da delegacia ou da Fundação Casa.

Exemplo 3 – O marido ou a esposa começam a ficar distantes, não querem conversas e muito menos intimidade sexual. De repente aquela notícia: “Me envolvi com alguém e estou apaixonado” ou “Estou arrependido, mas trai você!”

Estes são exemplos de tempestades que podem ocorrer na vida de qualquer pessoa, seja ela cristão ou não. A pergunta crucial não é se haverá tempestades, sim haverá. A pergunta importante: como reagimos diante das tempestades na vida.

A VIAGEM DE PAULO A ROMA

Depois de 2 anos detido em Cesareia, finalmente o apóstolo Paulo vai até Roma para ser julgado pelo Imperador (Atos 25:12).
Porém, antes de passar pela “tempestade” de ter que encarar Nero, Paulo passará literalmente por uma tempestade em sua viagem, que culminará com um naufrágio até que chegam na ilha de Malta, bem próxima da capital do império romano. Quero incentivá-lo a ler todo o capítulo 27 para uma maior compreensão da lição.

DESTAQUES IMPORTANTES

“Dizendo: — Senhores, vejo que a viagem vai ser trabalhosa, com dano e muito prejuízo, não só da carga e do navio, mas também da nossa vida.” – vs. 10

Paulo avisa o dono do navio e o centurião que aquela época não é propícia a navegação. Provavelmente com sua bagagem de 3 naufrágios vividos (2 Coríntios 11:25), Paulo é mais experiente. Infelizmente, por motivos financeiros, por orgulho, ou outra razão, o centurião não ouviu Paulo.

“Soprando brandamente o vento sul, e pensando eles ter alcançado o que desejavam, levantaram âncora e foram costeando mais de perto a ilha de Creta. 14Entretanto, não muito depois, desencadeou-se, do lado da ilha, um tufão de vento, chamado Euroaquilão.” – vs. 13-14

A viagem começa tranquila, parecia que tudo ia correr bem, mas veja o vs. 14, a palavra “DE REPENTE”. De fato, as tempestades surgem quando menos esperamos.

“E, não aparecendo, havia já alguns dias, nem sol nem estrelas, caindo sobre nós grande tempestade, dissipou-se, afinal, toda a esperança de salvamento.” – vs. 20

Nas tempestades, há momentos em que achamos que não tem jeito, provavelmente Paulo era um deles. Toda a tripulação está a mercê do mar e do vento.

“Havendo todos estado muito tempo sem comer, Paulo, pondo-se em pé no meio deles, disse:
— Senhores, na verdade, era preciso terem-me atendido e não partir de Creta, para evitar este dano e perda. 22Mas agora aconselho que tenham coragem, porque nenhuma vida se perderá, mas somente o navio.” – vs. 21-22

21-22 – O conselho de Paulo e sua oração. É nas tempestades que o servo do Senhor aparece. Até ali Paulo está quieto, provavelmente orando e esperando uma resposta de Deus que não tarda a vir.

“Tendo dito isto, pegando um pão, deu graças a Deus na presença de todos e, depois de o partir, começou a comer. 36Todos ficaram mais animados e se puseram também a comer.” – vs. 35-36

O exemplo de Paulo – o apóstolo sabe que todos chegarão salvos, porém, precisarão estar fortes para lutarem contra o mar por suas vidas.

“E foi assim que todos se salvaram em terra.” – vs. 44b

Todos chegaram sãos e salvos depois de semanas lutando contra o mar por suas vidas

II – SEIS LIÇÕES QUE PODEMOS APRENDER NO MANUAL DE SOBREVIÊNCIA DO APÓSTOLO PAULO

1. No que depender de você, faça o que puder para que não entre numa tempestade previsível

“Na multidão de conselheiros, há sabedoria”, diz Provérbios 11:34b.

Somos conselheiros e sempre podemos ser aconselhados.

Existem tempestades que não tem como serem evitadas, porém, muitas delas não passaríamos se tivéssemos ouvido pai, mãe, esposa, marido, irmão em Cristo mais experiente e, claro, as próprias Escrituras Sagradas.

Em casa, alguém está tomando decisões que irá sofrer, mas também fazer todos sofrerem – aconselha, conversa, insiste, mesmo assim insiste em fazer.

Irmãos em Cristo tomando decisões erradas – indo para um caminho que levará todos a sofrimento – às vezes uma família em que o sofrimento de um atinge a todos – vamos aconselhar e também ouvir o conselho, pelo menos pensar a respeito.

As pessoas mais experientes devem ser ouvidas, Paulo já tinha navegado muito e sabia dos perigos.

Pais, irmãos em Cristo mais experientes, já navegaram bastante nas tempestades da vida – vamos ouvir essas pessoas. – Quantas tempestades podemos evitar.

A própria Palavra de Deus está repleta de avisos que podem nos ajudar a evitar entrar numa tempestade.

2. Quando a tempestade vem, até os mais fortes perdem a esperança (vs. 20)

Eu mesmo, preciso sentir, chorar, absorver, digerir, para, então, tomar uma decisão – Paulo também deve ter pensado que iria morrer.

Cada pessoa tem uma maneira de agir diante de uma tempestade, de um problema, de uma dificuldade.

Quer chorar? Chore, sinta a dor.

Quer lamentar? Lamente, vamos lamentar juntos.

Há pessoas que preferem racionalizar sua tempestade (Logo passa) ou mesmo ignorar (não é nada). Há momento de pranto e dor quando a estamos no meio de uma tempestade.

3. Não perca muito tempo discutindo quem foi o culpado –a versão das mulheres para os maridos: “Eu te falei…”.

Busque a Deus através da Sua Palavra e da oração (vs. 23). Paulo tinha alguns privilégios, porém, uma pessoa de oração consegue ver o invisível.

Nas crises da vida tendemos a ficar paralisados, pensando no problema, e gastamos pouco tempo buscando uma solução em Deus, nele e na sua Palavra. Paulo fez isto. Gastamos muito tempo procurando o culpado, deixemos para depois.

4. Busque ajuda de pessoas espirituais, pessoas que já passaram por lutas, peça que orem com você e por você.

Dois tipos de pessoas a serem evitadas – muito negativas e que passam a mão na cabeça – Paulo falou onde foi o erro, mas buscou a solução em Deus – nas crises da vida – momento de muita oração e leitura da Palavra, buscando saber como Deus pode agir naquela situação, o que Ele deseja nos ensinar.

Sejamos humildes, busquemos irmãos que orem por nós e conosco. Busque pessoas que vão ajudar, mostrar como você pode sair dessa tempestade.

5. Nas crises da vida, podemos fazer mais do que apenas esperar e orar, existem momentos de ação (vs. 34)

Paulo comprou uma briga com os marinheiros (eles precisavam ficar), era um homem prático.

Paulo insistiu para que todos comessem, ele mesmo deu o exemplo.

Paulo comendo – estava tomando posse da promessa de Deus – “vamos chegar lá”. Uma atitude que contagiou as demais 275 pessoas.

Está desempregado? Corre atrás do emprego.
Está doente? Seja obediente às orientações do médico.

6. Nas tempestades da vida, Deus utiliza a todos para abençoar os seus, inclusive pessoas que não acreditam nele.

Os soldados queriam matar os prisioneiros, Paulo era um deles. O centurião, utilizado por Deus para salvar Paulo e os demais.
Todos precisaram lutar por suas vidas (vs. 43-44).
O resultado final – E foi assim que todos se salvaram em terra.

CONCLUSÃO – VAMOS CHEGAR SÃOS E SALVO NAS MANSÕES CELESTIAIS

Da mesma maneira que Paulo e seus companheiros chegaram sãos e salvos na Ilha de Malta, nós que estamos caminhando rumo à Jerusalém celestial, utilizando o manual que Paulo nos ensina, também chegaremos.

Neste mundo, mesmo andando com Deus, mesmo tentando fazer o certo, passaremos por tempestades da vida, mas, veja o vs. 44.

Com Deus, todos chegaremos lá… sãos e salvos.
Haverá escoriações, haverá sofrimento, haverá lutas, mas, com Deus, todos nós podemos chegar lá, basta não desistir – VAMOS CHEGAR NA TERRA PROMETIDA POR JESUS.

Todos já tinham entregue os pontos – Paulo não.

Onde você estiver, como cristão, você é o representante de Jesus – todos podem desistir, você não.

João 16:33 – “No mundo passareis por aflições, tende bom ânimo, eu venci o mundo” – nós, seus seguidores também venceremos.

Vivamos, pois, todos os dias, essa realidade!