Selecione a página

Sem Medo de Perder

Sem Medo de Perder

Uma mulher muito rica sempre voava na mesma companhia aérea, mas sempre reclamava do serviço e até conseguia reembolso dos serviços prestados. Um dia o gerente da companhia deu a ordem de não lhe atender mais as demandas. Ela mesmo assim começou a reclamar e foi insistente a ponto da sua reclamação chegar ao dono da empresa aérea. Ele pessoalmente respondeu suas ameaças de não só não voar mais naquela companhia como fazer propaganda contrária para todos os seus contatos. Ele respondeu da seguinte forma:
– Vamos sentir sua falta.

As reclamações acabaram e a mulher continuou cliente fiel daquela empresa.

Muitas vezes a igreja age com medo quando precisa enfrentar alguns problemas de relacionamento, indisciplina, reclamações, críticas, problema doutrinário, insubmissão, fofoca, desânimo e divisão. O medo é perder algumas almas.

Se uma pessoa vai sair da igreja porque é disciplinada em alguma falta ou pecado ou porque não é reconhecido, está no lugar errado. A igreja é um lugar para servir e não ser visto. Quem não serve, para a igreja não serve. Um lugar onde o único que deve ser adorado e satisfeito é Deus. Já nós, todos nós, somos ensinados a ser totalmente submissos à Deus e obedientes à sua Palavra. Isso dos mais maduros aos que estão chegando hoje.

O papel dos pregadores é tratar dos pecadores, sejam eles convertidos ou não. De consolar os aflitos e afligir os acomodados. Claro que o servo de Deus deve agir com amor e paciência, admoestar, consolar e amparar, mas também ele deve fazer isso com firmeza e autoridade (e correndo o risco de ser chamado de autoritário) e sem medo de perder uma alma sequer. Claro que ele deve ser a imitação do Supremo Pastor e não deve dominar o rebanho que não lhe pertence, mas também deve impor a disciplina de Deus na igreja (1 Pedro 5:1-4).

As qualificações dos servos (1 Tm 3:1-7) e, principalmente quando são presbíteros, deve servir para este momento em que a disciplina deve ser aplicada e como resultado deve enfraquecer os que o contradizem e acusam. Foi para isso que a igreja os escolheu. Mesmo se o servo de Deus for jovem, não deve ser desprezado, antes deve ser conhecido pelas características exemplares como o apóstolo Paulo instruiu a Timóteo: exemplo na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza:

“Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na e na pureza.” (1 Timóteo 4:12)

Apesar de toda a luta para ganhar o pecador para Cristo e contar entre o rebanho do aprisco, haverá perdas. Até Jesus ‘perdeu’ um dos seus escolhido para ser apóstolo e muitos seguidores o abandonaram porque se escandalizaram do seu ensinamento.

“Daquela hora em diante, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e deixaram de segui-lo.” (João 6:66)

Pela experiência os que dão mais trabalho são justamente aqueles que vão deixar a igreja. Desde cedo devemos tratar bem as pessoas, mas também devemos ser rigorosos quanto à disciplina na igreja. A falta de firmeza com a disciplina vai custar muito mais caro no futuro e, certamente, ameaçará a igreja.

Pegando o exemplo que vemos escrito pelo apóstolo Paulo e se identificarmos na igreja uma pessoa que não quer trabalhar, antes vive se intrometendo na vida dos irmãos, deve ser marcado entre a irmandade, mas não devemos aplicar somente a disciplina, mas também o remédio para a falta.

“Se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, marquem-no e não se associem com ele, para que se sinta envergonhado; contudo, não o considerem como inimigo, mas chamem a atenção dele como irmão.” (2 Tessalonicenses 3:14,15)

Algumas vezes vemos irmãos associando-se com pessoas que cometeram adultério, que provocaram divisão, que andam desordenadamente, que não participam mais da comunhão e o fazem dizendo ser por amor, mas não é isso que a Bíblia ensina e isso também não funciona. Este é um comportamento errado. Uma pessoa que está vivendo em pecado e não participa da comunhão, não devemos nos associar com ela, não devemos ir na casa da pessoa, não devemos comer com ela, mas tratar a pessoa como irmão e não como inimigo, e, tendo oportunidade, chamar-lhe à razão do arrependimento. A IDEIA É QUE TAL PESSOA SE SINTA ENVERGONHADA E SE ARREPENDA.

Jesus não teme em perder os seus fiéis e verdadeiros discípulos. Ele mesmo os convida a ir embora e os que iriam mesmo, irão.

“Jesus perguntou aos Doze: “Vocês também não querem ir? ” Simão Pedro lhe respondeu: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus”. Então Jesus respondeu: “Não fui eu que os escolhi, os Doze? Todavia, um de vocês é um diabo! ” (Ele se referia a Judas, filho de Simão Iscariotes, que, embora fosse um dos Doze, mais tarde haveria de traí-lo.) (João 6:67-71)

Algumas vezes medidas duras, mas Bíblicas devem ser tomadas. Isso já aconteceu na história da igreja e devemos pegar estes casos como exemplo:

“Por toda parte se ouve que há imoralidade entre vocês, imoralidade que não ocorre nem entre os pagãos, a ponto de alguém de vocês possuir a mulher de seu pai. E vocês estão orgulhosos! Não deviam, porém, estar cheios de tristeza e expulsar da comunhão aquele que fez isso?… entreguem esse homem a Satanás, para que o corpo seja destruído, e seu espírito seja salvo no dia do Senhor.… Já lhes disse por carta que vocês não devem associar-se com pessoas imorais… Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer.” (1 Coríntios 5:1, 2, 5, 9, 11)

Agora, você, que está lendo este texto. Pode ser que um dia você esteja do lado de lá, próximo do comportamento de Judas, mas talvez você pense agora que é mais parecido com Pedro. A questão é: o que você vai fazer quando você for o problema? Vai reconhecer, se humilhar, arrepender e pedir perdão e voltar ou vai se perder? Você estaria disposto agora que não precisa para quando precisar ser admoestado? Você precisa renovar esta decisão agora para quando, eventualmente, isso acontecer, você já lembre o que deve fazer. Falo renovar esta decisão, pois ela foi feita no batismo.

Os irmãos que desistirem da fé por causa dos problemas ou falta de arrependimento, vamos sentir falta, sem dúvida, mas devemos ficar firmes na doutrina e se alguém não quiser ouvir o que a Palavra diz. E ainda, quem disse que você pode controlar quem vai ficar ou sair. Basta agir corretamente e que você não seja pedra de tropeço, mas se alguém sair da igreja por disciplina bíblica, sinta, mas não se culpe. Que o pecador se arrependa e volte à comunhão andando segundo as ordens de Cristo.

Finalmente, devemos resolver todas as questões com a Bíblia aberta e sem opiniões dos mais fortes ou influentes na igreja. Sabendo que os que se tornam mestres sofrerão maior juízo pelos erros que cometerem. É uma grande responsabilidade ter que disciplinar a igreja de Deus e tentar cooperar com Cristo para a salvação do maior número possível.

Irmãos, não tenhamos medo de perder uma alma para o mundo. Tenhamos medo de deixar que o mundo invada a igreja por intermédio dos irmãos que se envolvem em pecado e não são admoestados para o arrependimento.


SAIBA MAIS SOBRE O COLHEITA Brasil NESTE VÍDEO ABAIXO

Sobre o autor

Comentários recentes

Comentários

Veja Isso Também

A Arte da Pregação, Crescimento da Igreja, Evangelismo, Grupos Pequenos, Ministérios, Música Vocal

Mais recentes