Ananias e Safira se tornaram exemplo para a igreja de todos os tempos. Eles viram Barnabé tornando-se proeminente na igreja porque vendeu propriedades que tinha sem ninguém pedir nada e deu o dinheiro para os apóstolos distribuírem entre os necessitados. Ninguém tinha pedido para eles fazerem o mesmo, mas eles chegaram perante toda a congregação e disseram que tinham vendido sua propriedade por um certo valor, mas tinham entrado em acordo entre eles que reteriam parte do valor. Nunca ninguém saberia, mas eles mentiram. O Espírito Santo sabe se não cumprimos o que prometemos perante Deus. Eles não precisavam ter feito isso, mas queriam aparecer (At 4:34-5:11).

Quando você se converteu entendeu a graça, mas assumiu a mesma graça? A graça já diz por si que é de graça, mas alguém pagou por ela. Alguém foi generoso. Agora, se queremos que outros conheçam a graça, devemos ‘pagar’ para que a graça chegue até eles. Pode parecer meio estranho, mas para você receber a graça alguém pagou sem aspas nenhuma, sem medir esforço nenhum. Evangelismo é a propaganda da igreja e o evangelista é o nosso ‘publicitário’. Ainda mais, se, como igreja, escolhemos ter um lugar para nos reunir e, como um família, ter uma casa para comportar todos nós, então todos devemos nos responsabilizar pelos custos disso. A Bíblia não determina que o culto deve ser só em casa ou nas praças como era no 1º século. Devemos ofertar para a obra do Senhor e sabemos que deve ser o melhor e não o que nos sobra.

Já vi muitas coisas pitorescas tentando amenizar, justificar ou até incentivar as pessoas ofertarem melhor. Já ouvi chamar de ‘hora dolorosa’, dizer que os irmãos tinham um escorpião ou uma cascavel no bolso e, por isso, tinham medo de colocar a mão lá no bolso; já ouvi argumentos fracos e até sem sentido para a coleta e até já decorei desde crianças as mesmas passagens que ouço para o momento. Acho que vou continuar ouvindo coisas do gênero da falta de preparo, infelizmente…

Recentemente ouvi novamente um argumento que não concordo muito com ele, mas certamente vou ouvir de novo. Disse o dirigente da coleta:
– Deus não se importa com a quantidade.
Depois ele ainda disse:
– Precisamos fazer com sacrifícios.

Como quantidade não é importante se não custa nada? E como Deus não se importa com a quantidade e a gente precisa fazer sacrifícios? Como fazer sacrifício continuando ofertando o que nos sobra ou sem o mínimo planejamento? Imagine se nós reuníssemos a família e, numa necessidade financeira nós disséssemos:
– Olha, nós vamos ter a água, a luz e a Internet cortadas, mas cada um dá quanto quiser.

Provavelmente isso não funcionaria e a gente iria ter que reunir a família novamente e dizer o valor somado das contas e dividir entre os membros.

Se nós podemos ofertar R$ 120,00, mas desde que Deus não se importa com a quantidade, quanto vamos dar? R$ 120,00, R$ 100,00 ou apenas R$ 20,00, já que Deus não se importa mesmo… Qualidade e quantidade é a mesma coisa, sim! Sei que 80% das pessoas não ofertam e por vários motivos, mas será que algum motivo justificará perante Deus? Em nenhum lugar diz que Deus vai punir como puniu Ananias e Safira, mas por que correr o risco?

Verdade que a mulher viúva deu pouco, isto é, alguma moedas, mas ela deu 100% do que tinha. Mais ainda… Jesus viu através do Espírito o quanto valeu aquilo que ela deu. Ele viu não pouco, mas viu generosidade. Ela deu porque entendia o conceito de ofertar e, quanto tempo ainda nós vamos continuar repetindo a história da viúva nas leituras dominicais e não colocar em prática o exemplo dela? Nenhuma história tem valor se não for comprovada na prática. Dizemos que Deus abençoa quem é generoso e dá com alegria, mas quantos de nós tem prova disso? Comprove por si mesmo que a Palavra de Deus é verdadeira pela oferta na prática. Você realmente acredita que “aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente.”? (2 Coríntios 9:6). Você só vai acreditar, quando fizer o mesmo…

Irmãos, ofertemos não porque estamos vendo algo ser feito, mas por motivo de consciência entre nós e Deus. Você pode saber que, por educação, ninguém fica vendo que você não tem ofertado, mas o Espírito Santo está vendo e ofertar faz mais bem para você do que por qualquer motivo. Oferte com fé, sacrifício e generosidade.

Determine no seu coração a quantidade e a qualidade da sua oferta e dê fielmente, pois terá sido você que determinou o quanto vai dar, mas foi Deus que determinou quanto você iria ser prospero. Agora, dê de coração, não falhe, seja fiel, pois Deus ama quem assim o faz com alegria e, imagine o que acontece com quem Deus ama…

“Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.” (2 Coríntios 9:7)