Igreja de Cristo em Malawi, África

“Estou plenamente certo de que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus.” Filipenses 1:6

Neste próximo domingo, 19 de fevereiro, despeço-me dos irmãos do Malawi já sentindo muitas saudades. Embora diante da barreira linguística, fui enormemente edificada e encorajada pela vida deles.

Localizada na área 25 da capital do Malawi, Lilongwe, uma das muitas congregações da igreja de Cristo se reune em um sala de uma escola primária. A irmã Aida e eu desde que chegamos estamos congregando com os irmãos.

Algumas famílias precisam andar por mais de duas horas para chegar ao local do culto. Nossos irmãos chegam de bicicleta, caminhando e algumas famílias vão de carro.

O culto é realizado em duas línguas, Chechewa e Inglês. Em Chechewa porque é a única língua da maior parte dos irmãos nativos, e em Inglês para que os missionários americanos possam entender. Os cristãos de Lilongwe são muito assíduos na frequência do culto. A programação aos domingos acontece da seguinte forma: As 8:30 da manhã inicia-se a escola dominical, logo em seguida a celebração do culto, e ainda, após a conclusão do culto, por mais uns 45 minutos ocorre o estudo bíblico direcionado aos jovens.

A programação da congregação aos domingos se estende a tarde, onde famílias se reúnem nas casas dos irmãos em vilarejos, para terem um momento de devocional e louvores. Incrível a quantidade de crianças da redondeza que vão para participarem. Os irmãos nativos chamam esta reunião de culto da tarde, onde toda a programação é realizada somente em chechewa.

Embora a igreja seja desprovida de muitos recursos, o suco da ceia nunca falta nem o pãozinho sem fermento. Domingo após domingo eles se reúnem em memória do sacrifício de Jesus na cruz. A oferta também é praticada com zelo, onde se pode ver que na medida de suas possibilidades eles se esforçam para obedecer a Deus.

Família Kastner, missionários em Malawi

Há dois anos a família Kastner, missionários americanos, mudaram-se para Lilongwe, a fim de servir a Igreja deste país com estudos bíblicos e edificação do corpo. Seus nomes são Dale, Leann e sua filha de nove anos Alyssa. O trabalho deles tem sido constante e segue com muitos desafios e conquistas para Cristo. Um dos maiores desafios é ensinar aos irmãos que as Palavras e os ensinamentos de Deus são superiores aos ensinamentos humanos.

O trabalho de amor pelo Reino de Deus, tem conduzido os missionários Kastner a dedicar-se as famílias. Pela primeira vez na história da Igreja, em janeiro deste ano, ocorreu um retiro de casais de três dias. Um dos ensinamentos bíblicos repassados aos casais neste retiro foi sobre a importância de andarem juntos e serem unidos na condução do lar. Eles entenderam os ensinamentos a luz das Escrituras e o resultado de tudo o que aprenderam no retiro estão sendo evidenciados por suas ações.

Um exemplo de mudança nas famílias foi de que desde dezembro ao congregar com os irmãos, eu observei que sua forma tradicional de sentar-se nos bancos para participarem do culto, era homens à direta, mulheres à esquerda, ou seja, sentavam-se separados. No domingo seguinte ao retiro de casais, os homens começaram a sentar ao lado de suas esposas e filhos pela primeira vez. Eu glorifico a Deus pela oportunidade de ver ao vivo e a cores o que Ele está fazendo na congregação de Lilongwe.

Embora a igreja de Cristo aqui em Malawi tenha 100 anos de idade, a mesma tem necessidades espirituais urgentíssimas, e esta realidade está presente em outros países da África. A falta de escolaridade os limita a uma interpretação superficial das escrituras, não há nem um número considerável de professores nem pregadores que dominem os ensinamentos Bíblicos entre os nativos. São tão rasos e superficiais o conhecimento bíblico que a cultura local ainda impera em suas vidas, encontrando-se arraigados nas tradições antigas e costumes do povo.

Infelizmente os irmãos conduzem suas famílias baseados nos ensinamentos da cultura e não nos ensinamentos bíblicos. É comum em congregações mais interioranas depararmos com a poligamia. Práticas que poderiam ser evitadas com o ensino da Palavra adicionados
com amor, paciência e disponibilidade de tempo. Além das dificuldades espirituais a igreja do Malawi no interior do país sofre com a fome. A corrupção presente no país colabora para que a situação se agrave cada vez mais.

Apesar de todas as mazelas sociais, nossos irmão malawianos permanecem fiéis e dedicados a Deus, o louvam com força e gratidão.
Minha oração é para que Deus os fortaleça em suas dificuldades, supra as suas necessidades diárias com o alimento para o corpo e que lhes envie ajuda com  professores da bíblia para os alimentarem com ensinamentos mais profundos das Escrituras.

Levarei em meu coração a lembrança de seus sorrisos, suas vozes fortes entoando louvores ao nosso Rei, suas lutas e ilimitações vencidas pela esperança de que Deus, que começou tão boa obra em suas vidas, continuará aperfeiçoando até o Dia de Jesus Cristo.

Em Cristo,

Raisa Souza
De Malawi, África

 

Raisa Souza
Sobre Raisa Souza 8 Artigos
Raissa de Souza é obreira em tempo integral é sustentada pela Igreja de Cristo em Campo Grande MS em parceria com a Jocum. É formada em Teologia pela SerCris e em Administração. Tem 25 anos e é natural de Mococa SP, onde frequentava a igreja de Cristo. Hoje serve como missionária na África.