Cerveja e Evangelismo

Aviso: este artigo não é uma apologia a nenhum tipo de bebida alcoólica. É uma analogia sobre o que é importante e a busca de resultados espirituais.

Calor. Calor até de noite. Você com um ou dois ventiladores ligados na sua direção. Já é tarde e tá difícil de dormir exatamente por causa do calor. O futebol na televisão ‘acabou de acabar’, como dizem. Você já está pensando em tomar um banho para refrescar e finalmente vê aquela propaganda que todo mundo tá falando. Caramba! É uma propaganda de cerveja e eu que não bebo fiquei até com vontade. Diz a propaganda, usando imagens de gente bonita, calor, praia, futebol e sede. A sede era tanta que nem deu pra notar a mulher bonita seminua como estrela principal. Ah, tá! Você já assistiu aquela propaganda algumas vezes, mas só agora prestou atenção.

O que tudo isso tem a ver com evangelismo? Aparentemente nada, não é? É, mas vamos dissecar melhor o que está acontecendo. Eu me formei em publicidade e, não sei se você sabe, publicidade é uma palavra que veio da religião. Veio do latim de publicus (quer dizer: do público).

Agora vamos voltar para a análise da propaganda da cerveja e ver o que isso tem a ver com evangelismo. Quando você estava assistindo televisão só pra esvaziar a mente, aquela propaganda passou. Foi a primeira vez que você viu, mas não prestou atenção. Talvez, de um modo genérico, viu que era sobre cerveja.

Outro dia, quando você estava assistindo ao futebol, várias vezes a voz dos menores intervalos disse: “Um oferecimento… (o nome da fábrica/marca de cerveja)”. No domingo, você tinha acabado de receber uma visita e nem tinha dado tempo de desligar a televisão, aquela mulher seminua apareceu para anunciar a cerveja e te incentivar a desligar a televisão. Você e suas visitas olharam para a moça de costas e você, um pouco constrangido, desligou a televisão com vergonha alheia a pretexto de conversarem.

Agora, de noite, depois do futebol, finalmente você prestou atenção na propaganda de cerveja. Até riu da piada ou humor que que eles fizeram. Pronto, você conhece aquela cerveja e agora sabe que eles dizem que ela mata a sede. Só que não é verdade. Praticamente tudo o que eles mostraram lá é mentira.

Primeiro, não é possível um dia na praia em paz e divertido como aquele. Praia cheia, gente, perigo na areia, perigo na água, comida cara, falta de espaço, o sol queimando.
Segundo, quem bebe cerveja não tem um corpo atlético.
Terceiro, quem bebe bastante cerveja não tem uma vida muito feliz. Quanto mais bebe, mais infeliz são os resultados e consequências da bebida.
Quarto, bebida alcoólica não mata a sede, pelo contrário, desidrata.
Quinto, sexto, sétimo, e tantos outros motivos poderiam ser apresentados. Mas deixa pra lá e vamos falar da verdade do evangelho.

Só tem uma verdade em tudo isso: propaganda funciona. “Propaganda é a alma do negócio”. Produção, propaganda e venda de cerveja é um negócio sério que dá lucro para o dono e emprego para milhares de pessoas. Propaganda é um negócio sério. Você sabe qual o investimento só na propaganda da cerveja? Difícil saber, mas para você ter uma ideia, uma propaganda de 30 segundos, isto mesmo, metade de um minuto, custa impressionantes R$ 571.500,00, isto mesmo que você leu! Quinhentos e setenta e um mil e quinhentos reais com 3 inserções semanais em horário nobre. Afinal, como mostram as pesquisas, da maior rede brasileira de TV o alcance durante o futebol é de 91% dos telespectadores potenciais alcançados.

E o Evangelismo?

Tá, já foi falado de cerveja e a estratégia de propaganda que eles usam porque acreditam ser isso importante. Agora, vamos falar de evangelismo. Isto é a coisa mais importante da terra. Você sabia que propaganda é uma palavra que surgiu da religião? Ah, já falei um pouco sobre isso… Os padres na Itália faziam o ‘propagare‘ do evangelho. Daí surgiu a propaganda.

A empresa de cerveja não brinca com o negócio, pois é sério para eles e deve dar resultados. Justificam que estão empregando milhares de pessoas e suas famílias. Criam renda e impostos. Os cristãos, ao contrário dos fabricantes de cerveja, brincam de igreja e pouco se importam com o resultado. Afinal, o que eles vão ganhar se a igreja tiver uma explosão de crescimento? Afinal, não importa o que façamos, Deus é quem dá o crescimento, justificam-se os que não dão a vida pela crescimento da igreja. Já ouviu essa? MENTIRA! Bem, é verdade que Deus dá o crescimento, mas é mentira que Deus dá o crescimento se não fizermos nada. Se a gente fizer alguma coisa, algum resultado vai dar. Se a gente não fizer nada a gente já sabe que resultado vai dar, pois vivemos isso todos os dias.

O evangelismo deveria ser levado muito mais à sério. Seremos julgados pelo evangelho. Sem a obediência ao evangelho não teremos nossos nomes escritos no segundo livro que vai ser aberto lá na eternidade, O LIVRO DA VIDA. O primeiro livro lá aberto será o evangelho… sua vida vai ser comparada com o que estiver escrito lá (Jo 12:47, 48).

Jesus certa vez elogiou um homem astuto (Lc 16:1-12). Não elogiou sua desonestidade, mas sim sua esperteza com as coisas deste mundo das quais ser nenhum vai colher coisa alguma. Aprendamos com os homens deste mundo e sejamos mais espertos e levemos o evangelho mais a sério… Aquela empresa de bebida alcoólica planeja tão bem que só cresce. Todas as empresas de cerveja têm crescido porque planejam, produzem e vendem. ELES NÃO BRINCAM EM TRABALHO. Vamos aprender que propagar funciona…

Eles sabem muito bem quando investir R$ 500 mil reais em uma semana e investem. Nós, como igreja, quanto temos investido? Nós, como igreja, sabemos quando E QUANTO devemos investir? Nós, como igreja, sabemos o resultado exato que queremos? Pode demorar para responder, não tem problema, mas não demore a vida toda. Ninguém tem a vida toda… e eles continuam bebendo e já nesta vida perdendo a saúde, a família, o emprego, a vida e rumando à perdição. Até quando vamos deixar a vida nos levar?

João Cruz
Sobre João Cruz 41 Artigos
João Cruz trabalhou mais de 20 anos com a igreja como evangelista. Atualmente dirige o Ministério Resgate ligados à publicações, música, edificação, treinamento, crescimento da igreja, palestras, produção de conteúdo e informação para as congregações.