Sacrifício Abominável

“O sacrifício dos perversos é abominável ao SENHOR, mas a oração dos retos é o seu contentamento” (Pv 15:8)

Os ímpios, por serem religiosos do seu jeito, oferecem grandes quantias. Ajudam aos pobres, têm suas instituições humanitárias e fazem muito mais do que os que dizem ser seguidores de Jesus. Eles estão tentando pagar pela salvação da forma que acreditam nela. E assim fazem seus sacrifícios. DEUS VÊ TUDO ISSO DE FORMA ABOMINÁVEL.

O seguidor de Jesus muitas vezes não tem muito o que oferecer, até faz pouco, muitas vezes só tem uma oração a oferecer, mas é isso o que agrada ao Senhor, AGRADA MUITO MAIS DO QUE MUITOS E GRANDES SACRIFÍCIOS.

“O sacrifício dos perversos é abominável ao SENHOR, mas a oração dos retos é o seu contentamento” (Pv 15:8)

Sabemos que fé e obras andam juntas e se complementam, mas obras para conseguir justificação não são vistas com bons olhos por parte de Deus. A salvação não está à venda. Melhor fazer poucas boas obras de acordo com a vontade de Deus, obras criadas em Cristo Jesus, do que fazer grandes obras buscando a salvação por méritos sem entregar o coração a Jesus. Nenhuma obra justifica sem a obediência pela fé.

Pouco é necessário. Sentamos aos pés de Jesus e deixemos que Ele nos instrua o que devemos fazer. Qualquer adoração ou sacrifício feito para buscar méritos é uma adoração da boca pra fora e que afasta o coração de Deus.

Jesus era conhecido por estar sempre cercado de pecadores. Ainda hoje Ele está cercado por eles e, graças a Deus, nós o temos como referência. Os religiosos ascéticos não compreendem a relação de Deus com os quais Ele escolheu para estar junto Dele.

“Estando Jesus em casa, foram comer com ele e seus discípulos muitos publicanos e “pecadores”. Vendo isso, os fariseus perguntaram aos discípulos dele: “Por que o mestre de vocês come com publicanos e ‘pecadores’? ” Ouvindo isso, Jesus disse: “Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Vão aprender o que significa isto: ‘Desejo misericórdia, não sacrifícios’. Pois eu não vim chamar justos, mas pecadores”. (Mateus 9:10-13)

Jesus deu o exemplo de que a vontade de Deus era oferecer misericórdia e não castigo para os pecadores. Assim como os doentes buscam os médicos, os pecadores devem buscar a cura dos pecados em Deus. A mesma misericórdia que queremos de Deus para nós, precisamos aprender a desejar para o próximo.

Deus não se agrada dos louvores, grandes obras, grande concentração de poder das religiões em nome Dele. Deus se agrada dos discípulos que, mesmo fazendo pouco, fazem exatamente a vontade de Deus.

Tenhamos misericórdia das pessoas para que nós possamos ser aceitos pela misericórdia de Deus em Cristo Jesus.