Fazendo a Pergunta Certa

No nosso dia a dia existem algumas frases e expressões que passam a fazer parte do linguajar, e muitas vezes são usadas de modo tão comum que nem mesmo nos damos conta que as usamos. E, de tão usadas, passam até a ser uma maneira de pensar e viver de acordo com essas frases. Uma das mais usadas, talvez, seja “qual é o mal em fazer tal coisa?” e suas variantes (“quem mal tem isso?”, “por que não?”, etc).

Embora as pessoas não enxerguem assim, embutido dentro dessas “frases prontas” existe também um tipo de “desculpa pronta” para os erros cometidos. Vamos usar um exemplo bem simples: chegamos 15 minutos atrasados pra um compromisso qualquer e dizemos “qual o mal em se atrasar 15 minutos?” e, com isso, perdemos a noção que o atraso de 15 minutos, por si só, já é um erro! A outra pessoa que está nos aguardando fez o possível pra chegar no horário e esse nosso atraso pode atrapalhar outros compromissos que essa pessoa teria. Mas, dentro da nossa ótica, nesse exemplo, “não há mal nenhum” nesse “pequeno atraso”. Nossa “desculpa pronta” já nos parece suficiente pra justificarmos nosso erro.

Agora, e quando usamos essas frases dentro da nossa vida espiritual, que é o que nos interessa de verdade? E quando essas frases prontas, que muitas vezes já se tornaram parte de nossa maneira de agir, também passam a ditar nossas decisões espirituais? Que mal isso pode causar à nossa espiritualidade? E quando usamos as frases “que mal isso pode fazer?” ou “que mal tem isso?” dentro de nossa vida com Cristo?

Vamos usar essas frases usando alguns exemplos bem conhecidos, embora esses exemplos sempre sejam temas de controvérsias, mas quero nos levar a pensar “fora da caixinha”, de um modo maduro, e ver que, “fazendo a pergunta certa”, muitas dessas controvérsias seriam resolvidas. Quando ouvimos alguém falar “que mal tem eu…tomar uma cerveja”, ou então “que mal tem eu…fazer uma tatuagem” ou ainda “que mal tem eu…fazer isso ou aquilo”, será que essas frases já não tem, como disse acima, embutida dentro de si mesmas, uma “desculpa pronta”?

Se somos cristãos verdadeiros e queremos ser a diferença no mundo( Romanos 12:2 – E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.), a pergunta certa a ser feita não é “que mal tem isso”, mas sim devemos nos perguntar “qual o bem que isso ou aquilo pode trazer”. Perceba como a pergunta certa traz uma direção muito melhor quanto ao que fazer, usando os mesmos exemplos citados acima: ao invés de perguntar “qual o mal que tem eu fazer uma tatuagem”, quando perguntamos “qual o bem que fazer uma tatuagem vai trazer” ou então “qual o bem que tomar uma cerveja vai trazer”, se eu for sincero comigo mesmo e com Deus, a resposta sempre será a correta, porque nessa pergunta estarei demonstrando o amor que Deus espera que eu demonstre não por minhas próprias opiniões, mas sim por aquilo que é melhor para o corpo de Cristo. (Romanos 15:2-3 -Portanto, cada um de nós agrade ao próximo no que é bom para edificação. Porque também Cristo não se agradou a si mesmo; antes, como está escrito:As injúrias dos que te ultrajavam caíram sobre mim).

Sabemos que nesse contexto há muitas coisas a serem consideradas e discutidas, mas também sabemos que muitas vezes queremos usar essas “frases prontas” pra justificarmos algo que, no fundo, sabemos o que fazer. Deixe de se perguntar “qual o mal que isso pode trazer” e comece a perguntar-se “que bem isso pode trazer”. Você vai ver que muitas dúvidas serão resolvidas. Que Deus nos abençoe a fazermos sempre a pergunta certa.