Ofertar Com Generosidade

Tá certo! 80% das pessoas não ofertam na coleta! Talvez por falta de ensino (incentivo) e tradição (bons exemplos). Talvez porque falta objetivos visíveis para a igreja que as pessoas possam ver e apoiar financeiramente ou talvez seja a simples falta de ação por parte da liderança que não inspira as pessoas a se envolverem completamente na obra. Ok, tá justificado perante você mesmo e, você tem certeza que todas estas desculpas justificam perante Deus? Você sabe a resposta!

“Há quem dê generosamente, e vê aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros, alívio receberá. O povo amaldiçoa aquele que esconde o trigo, mas a bênção coroa aquele que logo se dispõe a vendê-lo.”‭‭ (Provérbios‬ ‭11:24-26‬)

Ofertar esporadicamente é errado tanto quanto ofertar o que sobra é errado. Precisamos aprender a nos tornar generosos, afinal, este é o exemplo de Jesus que deixou tudo para assumir a forma de servo.

“Pois vocês conhecem a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, se fez pobre por amor de vocês, para que por meio de sua pobreza vocês se tornassem ricos”. (2 Coríntios 8:9)

Generosidade é a marca do Evangelho. O apóstolo Paulo, um dos ou talvez o maior evangelista de todos os tempos, ouviu pessoalmente de Jesus algo que nem sequer nos evangelhos a gente lê literalmente. Graças a Deus que ele compartilhou conosco através dos registros de Atos dos Apóstolos.

“Em tudo o que fiz, mostrei-lhes que mediante trabalho árduo devemos ajudar os fracos, lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’ “. (Atos 20:35)

Se você ouviu o evangelho, creu, se arrependeu, confessou Jesus como Senhor, nasceu de novo para novidade de vida e está perseverando, então tem que colocar o evangelho em ação para você e todos os que podem ser beneficiados por sua fidelidade. Talvez você não saiba pregar ou ensinar, talvez você não tenha tempo, então você pode fazer parte da conversão de alguém sendo generoso. Você trabalha arduamente já e por que? Será que justifica para que tenhamos mais e mais e os fracos fiquem cada vez mais fracos? Vamos lembrar das palavras de Jesus para Paulo e colocá-las em prática. Se você quiser realmente ser feliz, então tem que aprender a dar e não só a receber. Ah, você já recebeu o evangelho, agora está na hora de ofertar com generosidade.

Quanto Ofertar

Outra questão é a quantidade. Generosidade quer dizer, sim, quantidade. A qualidade da oferta é segundo a quantidade de cada um. Claro que o que define a quantidade que você deve ofertar não é o quanto os outros ofertam, mas o quanto você se sente abençoado. A coleta é uma ordem ao povo de Deus e devemos seguir os ensinamentos que Paulo deu às igrejas da Galácia. Ele ensina que dia devemos contribuir, quem deve contribuir, como proceder e quanto deve-se contribuir. Leia abaixo:

“Quanto à coleta para o povo de Deus, façam como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vocês separe uma quantia, de acordo com a sua renda, reservando-a para que não seja preciso fazer coletas quando eu chegar.” (1 Coríntios 16:1,2)

Na leitura aprendemos que domingo é o dia de contribuição. Se ele definiu um dia, fica, automaticamente, proibido outros dias para se fazer oferta, assim como a ceia é feita aos domingos, dia do Senhor, a coleta deve ser feita somente no domingo. Vemos uma grande inversão na obediência quanto a isso e isso também pode servir de dica para saber se uma ‘igreja’ é a igreja de Deus.

Ainda na leitura aprendemos que todos devem contribuir. Paulo diz “cada um de vocês separe uma quantia”. Este é o momento para falar quanto deve ser. O que Paulo escreveu define um valor entre você e Deus. Ele ordena “de acordo com a sua renda”. O parâmetro para ofertar é o quanto você ganha. Precisamos complementar esta informação com generosidade. Duas passagens bem conhecidas vêem à tona. A primeira é um excelente exemplo para os que pensam que não têm nada a ofertar.

Mesmo Com Problemas

“Agora, irmãos, queremos que vocês tomem conhecimento da graça que Deus concedeu às igrejas da Macedônia. No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade. Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos. E não somente fizeram o que esperávamos, mas entregaram-se primeiramente a si mesmos ao Senhor e, depois, a nós, pela vontade de Deus.” (2 Coríntios 8:1-5 – o negrito é meu)

Aprendemos com os irmãos Macedônicos que mesmo que tivermos problemas, a alegria e a generosidade devem ser maiores. Devemos, a exemplo deles, dar de acordo com a nossa prosperidade e até mais do que podemos. Eles é quem pediram insistentemente para participar. Tinham sido deixados de lado por serem financeiramente pobre, mas eram os mais ricos de alegria e generosidade dentre os irmãos. Outros talvez deram porque tinham, os Macedônicos deram mesmo acima do que podiam. Lembramos facilmente da viúva pobre que não deu o resto, deu acima do que podia. Alguma vez na vida você já fez isso? Alguma vez na vida nós vamos fazer isso? Por que não? A nossa justiça deve exceder a dos religiosos.

Agora, por que os irmãos Macedônios, mesmo sendo extremamente pobres, deram acima das suas possibilidades? Tem uma explicação que deve nos inspirar para fazer o mesmo:

  1. Eles eram felizes pela salvação. A salvação imerecida gerou felicidade e generosidade;
  2. Eles acreditavam que ofertar era um privilégio, e;
  3. Eles deram os seus corações primeiro a Deus, depois aos irmãos

Com Confiança em Deus

Outra passagem relevante e bem conhecida, mas pouco praticada, é aquela passagem que é lida como se não tivéssemos outras para a coleta.

“Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria. E Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário, vocês transbordem em toda boa obra. Como está escrito: “Distribuiu, deu os seus bens aos necessitados; a sua justiça dura para sempre”. Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come, também lhes suprirá e aumentará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça. Vocês serão enriquecidos de todas as formas, para que possam ser generosos em qualquer ocasião e, por nosso intermédio, a sua generosidade resulte em ação de graças a Deus.” (2 Coríntios 9:6-11)

Quase não precisa comentar, mas… Vou tentar ser breve. A regra é a mesma de sempre. Plantou pouco, vai colher pouco. Planou muito, acreditando que Deus ia abençoar, vai ser abençoado mesmo! Só Deus pode cumprir estas palavras. Deus não quer que você faça por obrigação ou pensando com tristeza onde poderia usar a oferta. Deus quer que nós contribuamos com generosidade e com fé. Acredite que Ele não vai deixar faltar nada, pelo contrário, vai multiplicar a sua plantação. Tá, não é uma barganha ou um negócio da China, mas Deus está disposto a cumprir o que promete. Ele faz isso até com pessoas que são generosas por outros motivos, imagina se não vai ser bom com que faz por fé, generosidade, amor e pela obediência ao Evangelho.

Conclusão

O procedimento para a coleta era conforme o que as pessoas recebiam. Antigamente pagava-se o trabalho por dia ou por semana. Ainda hoje em dia muitos países ou até mesmo profissões no Brasil são remuneradas diariamente ou semanalmente. É muito mais comum ver-se que as pessoas recebem quinzenalmente ou mensalmente. Na minha opinião as pessoas deveriam ofertar conforme a periodicidade em que recebem, isto é, se recebe diariamente ou semanalmente, deveriam ofertar todos os domingos. Se recebem quinzenalmente ou mensalmente, deveriam ofertar de acordo. Eu acredito que esta é a diferença entre a ceia e a coleta que, embora o mandamento seja para o mesmo dia, os recursos que a compõem e os motivos não são os mesmos. Se você discorda, tudo bem, faça de acordo com a sua consciência e não criemos o costume de criticar ou condenar os que pensam de modo diferente.

A igreja de Cristo precisa mudar neste ponto. A igreja tem muito dinheiro, o problema é que está no bolso dos irmãos. Agora tá faltando gratidão pela graça da salvação que nos faz felizes e generosos. Quando mostramos a gratidão na oferta, outros serão levados a louvar a Deus pela obediência que acompanha a confissão que fizemos no evangelho de Cristo pela nossa generosidade em compartilhar os bens com os que precisam (2 Co 9:13).

A liderança da igreja precisa ser mais séria no sentido de ensinar, motivar e administrar os recursos ofertados. Quem vai querer ofertar só para a manutenção do prédio? É isso é necessário, mas onde está o trabalho para ganhar almas e ajudar aos necessitados, principalmente os próprios irmãos de fé?