Está Tudo Bem… Até Que…

O cachorro é conhecido como o melhor amigo do homem. Por que? Porque ele é fiel, porque ele ama o seu dono, de um modo geral, incondicionalmente.

Acabamos de sair do culto. Muito edificante! O Enoc? Foi impactante! No CRE, como foi bom encontrar com os irmãos e ficar juntos por quase uma semana. Não vemos a hora de chegar o próximo domingo, o ano que vem ou quando nos encontrarmos eventualmente em algum lugar neutro para nutrirmos o mesmo nível de comunhão que só teremos lá no céu… o encontro está marcado!

Como vai ser bom chegar lá e poder rever todo mundo que já conhecemos nesta vida e de quem sempre ouvimos falar através da Palavra de Deus… não vemos a hora de sermos glorificados para estar com Cristo. Tudo está tão bem na irmandade até que… até que alguém pise no meu pé e nem sequer peça desculpas, até que algum destes irmãos que tanto amo não me cumprimente e seja um pouco ríspido comigo, até que discorde de opiniões, até que não concordem com o que eu disse no meu perfil do Facebook, até que não lembrem do meu aniversário, até que me acusem injustamente de alguma coisa que eu não tenha feito, até que me julguem e me condenem usando uma passagem bíblica para me atacar… aí, certamente vou esquecer de todo amor fraternal, vou ficar magoado e criar raízes que vão se espalhar pelos ouvidos e corações da irmandade, eu não vou conseguir perdoar facilmente, então não vou considerar mais aquela pessoa nem sequer como um irmão. Tudo estava tão bem… até que…

“A começar em mim, quebra corações, pra que sejamos todos um… como Tu és em nós…”

O amor é muito bonito e funciona muito bem quando fica na teoria. O irmão é o parceiro de fé eterno até que, não importa o motivo, erre de alguma forma.

Por um lado precisamos nos tornar mais resistente às críticas, pois como é que vamos agir se nos perseguirem e nos injuriarem pelo nome de Cristo? Como vamos reagir se nos desafiarem a negar o nome de Cristo para termos paz e sossego na vida? Como vamos reagir quando virmos nossos bens sendo confiscados por sermos seguidores de Cristo? Como vamos reagir ao ver nossos pais, irmãos ou filhos sendo castigados ou mortos injustamente somente por quererem lutar contra o pecado e serem mais parecidos com Cristo? Como vamos reagir se pelo nome de Cristo tivermos nossas mãos e pés pregados? Se não somos fiéis no pouco amor que nos foi confiado, resistiremos se por acaso for provada a nossa fé?

Tem uma passagem do livro de Romanos que você precisa ler para entender melhor o que está sendo falado aqui. Sugiro, então, que você pare a leitura deste artigo, considere como uma pausa, e vá ler a sua Bíblia. Esta é a passagem para você ler Romanos 12:9-21.

Está Pronto?

Estamos realmente prontos para o desafio de amar ao próximo, principalmente os da família da fé, incondicionalmente? Estamos realmente dispostos a dar nossas vidas uns pelos outros apesar das opiniões contrárias, apesar das acusações falsas? Apesar das agressões gratuitas, apesar da falta de amor e perdão? Acima de tudo, estamos dispostos a agir como Cristo e lavar os pés uns dos outros?

Mais uma vez se faz necessário a leitura da Bíblia. Necessário porque eu estou realmente tentando escrever algo que não seja minha opinião. Leia a seguinte passagem: 1 João 3:16-19.

Você bem deve saber que Deus não aceita a sua oferta se você tem algum problema não resolvido com um irmão (Mt 5:24). Não adianta ofertar o seu corpo para ser queimado, se não tiver amor… Amor na prática, amor de propósito, amor sem motivo, amor de graça, amor que existe mesmo quando não concorda com opiniões, amor acima de tudo, amor que perdoa multidões de pecados, amor que ensina e convida os de fora, amor que lava as sujeiras e o fedor dos pés alheios, amor por amor e de verdade. Amor que me muda e não procura mudar somente o outro. Amor sem esperar nada de volta. Amor que ama o pecador principalmente quando ele é um irmão, amor divino em nós. Que sejamos verdadeiros discípulos conhecidos pelo amor. Amor com o qual Jesus nos amou e porque Ele nos amou primeiro.

Então, quando nem tudo está bem, ainda permanecem a fé, a esperança e o amor. O maior destes três é o amor. Que nada possa nos separar do amor de Deus com o qual vamos amar ao próximo, principalmente aos mais próximos. Que nosso amor seja além da morte que nos separe.

Que nós sejamos conhecidos pelo amor incondicional maior do que consideram que o cachorro tem pelos seus donos.