Apenas um Toque

No último final de semana tivemos aqui com a Igreja em Belém do Pará um encontro de mulheres, onde pude compartilhar com as irmãs a história de uma mulher e seu encontro com Jesus, o Mestre dedicado e amoroso. A passagem bíblica base está em Marcos 5:1-36, e Lucas 8:40-49.

O capítulo 5 do evangelho de Marcos começa com Jesus expulsando a “Legião” de demônios que atormentavam um homem. Os demônios são jogados numa manada de mais de 2 mil porcos, que acabam se jogando despenhadeiro abaixo. A narrativa é assustadora para quem consegue se “tele transportar” e imaginar assistindo ao vivo aquele episódio! Jesus, é expulso da cidade, por ter causado tamanho prejuízo aos donos dos porcos. A vida do homem endemoninhado foi totalmente restaurada a partir do encontro com Jesus e ele pode testemunhar as boas novas a todos os que o conhecem.

Me sinto visceralmente comovida quanto leio sobre os milagres de Jesus descritos nos evangelhos, não somente porque vejo o imenso poder dEle sobre a morte, sobre as forças da natureza, as doenças, os demônios e tudo o que existe, mas porque, como mulher, me sinto tocada com a FORMA que Ele exerce o seu poder.

Jesus havia chamado os 12 discípulos e há pouco começara seu ministério, mas, numa sociedade carente, oprimida pelos governantes, sedenta por pão, sofrendo para ser curada das doenças… a fama de Jesus se espalhou rapidamente e, onde ele passava, multidões o acompanhavam, o comprimiam e apertavam. Nesta “correria” em que eles estavam vivenciando, aparece um homem querendo que o Mestre vá até a casa dele curar a filha moribunda.

No meio daquela multidão, está uma IRRELEVANTE MULHER, que saiu de casa com uma esperança: Se eu tão-somente tocar em seu manto, ficarei curada”. A doença dela era invisível aos olhos dos outros, porém, a tornava IMPURA*. A mulher sofria de hemorragia há 12 anos. Podemos inferir que, se ela tivera marido, este já não estava mais com ela; se nunca casara, também já havia passado do tempo; se tinha família, já não havia vida social e afetiva para que os seus não se tornassem impuros pelo contato com ela. Já não restava esperança na medicina, pois ela já tinha gasto tudo e não conseguia ficar curada.

Afeto, para as mulheres, significa segurança, proteção, conforto e aprovação, estas coisas consideramos de vital importância. O afeto se dá principalmente pelo toque físico e, esta mulher já não contava com isso na sua vida. Ela não participava mais das festas, dos cultos públicos na sinagoga; estava morta socialmente. Mas, ela se apegou provavelmente à última chance que lhe restava. Era uma missão de risco! E se alguém a visse na multidão? E se a acusassem de tirar a “pureza” daqueles que se comprimiam ali?

Contudo, ela decidiu correr todos os riscos… se enveredou na multidão, aproximou-se do Mestre e tocou-lhe as vestes! (Mc 5:29) “Imediatamente cessou sua hemorragia e ela sentiu em seu corpo que estava livre do seu sofrimento.” 

O que ninguém esperava era a reação de Jesus: (Mc 5:30) No mesmo instante, Jesus percebeu que dele havia saído poder, virou-se para a multidão e perguntou: “Quem tocou em meu manto? “

Imaginem! Isso é pergunta que se faça numa multidão?

Mais do que saber QUEM, Jesus desejava TOCAR a vida da pessoa que tinha sido curada. Interessante que dele não saía poder aleatoriamente; o processo de sair poder se dava pelo encontro de Jesus com alguém que tinha fé e esperança de ser agraciado com o poder dEle.

A mulher, tremendo de medo, esperando uma repreensão, escaldada pelo sofrimento, não se acovarda e se apresenta a Jesus prostrando-se aos seus pés. Ela, que era insignificante no meio de tanta gente, meio que atrapalhando a missão de Jesus a caminho de curar a filha de um dos dirigentes da sinagoga… Mas a fé que ela demonstrou fez uma multidão parar e esperar.

Seguidamente, Jesus lhe dá os melhores momentos a serem vividos:

(v.34)  Então ele lhe disse: “Filha, a sua fé a curou! Vá em paz e fique livre do seu sofrimento”.

Diante de todos Ele expressou que ela não era mais impura. Publicamente, Jesus fez questão de devolver àquela mulher a vida social, a dignidade, a esperança, a paz e deu-lhe um sentido de renovação para vida dela.

É impossível não ser tocado com a empatia e sensibilidade dEle, que mesmo tão grande consegue servir num universo tão pequeno como o nosso! Ah… bendito seja o Deus, nosso Pai, que nos agraciou com a Palavra escrita na Bíblia, e através dela, lemos uma linda carta de Amor de Deus para nós!

Desejo ter a coragem, a fé e esperança dessa mulher e nunca me acovardar em busca do Mestre Jesus. Certamente, este foi o maior e mais impactante encontro que ela teve na vida!

E você? O que tem feito para se encontrar com o Mestre? Já sentiu o poder dEle em sua vida? Não perca tempo! Faça todo o possível por esse encontro, porque é o único que transforma morte em vida!

*No livro de Levítico 15:19-25 podemos aprender sobre as normas impostas na Lei mosaica diante da impureza pelo fluxo de sangue.

Katia Crispim
Sobre Katia Crispim 29 Artigos
Kátia Crispim é casada com Júnior, mãe de 4 filhas, psicóloga por formação. Motivada pelo chamado do esposo evangelista e o ardor no coração, já serviu à igreja em João Pessoa e Campina Grande. Atualmente, mora em Belém do Pará, onde tem servido à congregação.