A Segunda Milha – O Caminho da Excelência

0
30

Imagine a cena: o soldado romano arrogantemente obriga certo judeu a carregar seus pertences por uma milha, cerca de 1,5 km. Aquele judeu era diferente, até puxou conversa na caminhada. No fim da milha, meio desconfiado com tanta boa vontade, o soldado pede seus pertences e ouve, ainda mais espantado: “Deixe, não está pesado, vou levar um pouco mais”, e acaba acompanhando o romano até sua casa, quando entrega enfim aquele peso todo. Imagine, tempos depois, o soldado descobrir que aquele misterioso judeu pertence a uma seita, conhecida como seita do nazareno, de um tal Jesus que anos antes morrera crucificado.

Jesus, o revolucionário, aquele que colocou o mundo de cabeça pra baixo, que inverteu os valores do mundo ao mostrar os valores de Deus…

É de Jesus a frase:

“Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas.” Mateus 5:41

COMENTANDO A DICA DE JESUS

Quem seria esse “alguém”? Seria…

Quando sua esposa lhe pedir pra colocar o lixo pra fora, recolha também todo o lixo que ainda está em casa?

Quando sua mãe lhe pedir para a lavar a louça, limpe e seque a pia também, além de secar e guardar a louça lavada?

Quando seu amigo lhe pedir uma carona até o ponto, leve ele em casa?

Será que seria: “Quando sua esposa ou sua mãe ou seu amigo te obrigarem a andar uma milha, vai com ele duas?”

Não, não era amigo, não era parente, não era alguém que você, como judeu, amaria?

Está falando daquele que representa o povo que invadiu sua nação, matou muitos dos seus compatriotas, talvez até seus parentes, daqueles que abusaram de mulheres, que foram violentos tantas, que exigem que você lhes pague parte dos seus ganhos, simplesmente porque eles são os DOMINADORES sobre você.

Todo judeu era obrigado a carregar uma milha, caso um soldado que lhe mandasse, sem reclamar, não podia negar, era lei. Quanto era isto? 1,5 km.

Jesus estava dizendo: “Se um soldado te obrigar andar com ele 1,5 km, o que é obrigatório, faça mais, vá com ele 3 km, ante 1,5 extra, mesmo não sendo obrigado.

A orientação de Jesus é, “faça mais que o normal”:

“Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direta, volta-lhe também a outra; e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa.” vs. 39-40

Podemos, perguntar: “Por que, Senhor, eu devo fazer mais do que minha obrigação?”

A resposta está nos versículos 45 e 48: “Para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuva sobre justos e injustos” “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste”.

A SEGUNDA MILHA, O CAMINHO DA EXCELÊNCIA.

“Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas.”

Uma vez Jesus disse:

“Se a vossa justiça não exceder em muito a dos fariseus, não entrareis no reino de Deus”, Mateus 5:17

Não gostamos de fazer as coisas por obrigação. Dá a impressão de que estamos nos submetendo a um pedido despropositado e sendo inferiorizados. Esperneamos, argumentamos, reclamamos, mas não adianta. Obrigação significa ausência de diálogo. Não há opção. Não opine! Não discuta! Não há escolha.

Verdadeiro cristianismo – homens e mulheres da segunda milha. E o importante é como caminhar a segunda milha. Tenho que andar nela com alegria, com entusiasmo, sem ressentimento e sem reclamação.

Primeira milha, caminho congestionado, da maioria…

Na primeira milha, encontram-se pessoas que chegam na hora e saem na hora.

Na primeira milha, podemos ver pessoas que fazem até 95% do trabalho. O essencial.

Na primeira milha, encontram-se pessoas que inventam qualquer motivo para se ausentarem do trabalho ou que arranjam desculpas para não fazer nada ou ausentarem-se ao chamado.

Primeira milha – Os que viajam nela são os que perguntam: “Como é que eu posso fazer o mínimo e, mesmo assim, sobreviver no emprego, mesmo assim manter meu casamento, mesmo assim continuar salvo…”.

Segunda milha, caminho livre, meio deserto, poucas pessoas…

Na segunda milha encontram-se pessoas que chegam antes e saem depois.

Na segunda milha, encontram-se as pessoas que vão dos 95% aos 100%.

Na segunda, encontra-se gente disposta a dar mais energia do que se espera e até a se sacrificar por um trabalho, por uma tarefa.

Na segunda milha estão os que se dedicam, os que estão sempre dispostos a trabalhar para o Senhor. Os que têm prazer em ser úteis para a causa, a Sua causa.

Na segunda milha estão aqueles dispostos a fazer um serviço que ninguém gosta de fazer, os que são os primeiros a levantar as mãos para ser voluntários em um novo trabalho.

Por que no Novo Testamento não exige o dízimo? Por que estão sendo formados homens e mulheres que vão além da obrigação, dispostos a dar mais do que seria a obrigação.

Quem são os da segunda milha?

Talvez seja aquela pessoa que chega mais cedo no prédio de sua igreja para ajudar na limpeza.
Pode ser aquela pessoa que se desdobra depois de um dia exaustivo de trabalho só para poder cuidar das crianças durante o culto.
Ou aquele obreiro que fica atendendo no salão da igreja até a última pessoa sair.
E têm aqueles que ficam em lugares menos expostos, porém, fazendo alguma tarefa de suma importância.

Caminhar a segunda milha implica em não se limitar a ler apenas o que os professores da faculdade exigiram, mas pedir a eles sugestões de outros materiais a serem estudados para seu crescimento.
Exige participar de palestras e eventos para seu crescimento profissional e pessoal.
Caracteriza-se por fazer no trabalho o melhor para o crescimento da organização e não limitar-se apenas às exigências da sua função.
Na vida espiritual, não apenas se preocupar com o que é ou não pecado, mas desenvolver uma busca constante por um relacionamento real e significativo com Deus.

A SEGUNDA MILHA, O CAMINHO DAQUELES QUE NÃO SE NIVELAM POR BAIXO.

É fácil nos sentir bem conosco mesmo, basta nos compararmos a alguém pior ou igual a nós…

“Sou um marido regular, mas olha o marido da vizinha…”

“Sou um filho que poderia ser melhor, olha o filho do vizinho…”

“Sou um empregado que poderia produzir mais, mas olha o que fulano faz…”

Da próxima vez que for se comparar, compare-se a Jesus – sempre ficaremos devendo e teremos uma longa jornada a caminhar.

Andar a segunda milha é ser criticado por aqueles que estão andando na primeira, e são a maioria…

“Então, Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.” João 12.3

Enquanto o Senhor Jesus aprovou a ação de Maria, Judas Iscariotes achou que era um desperdício:

“Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres?” João 12.5

Os da segunda milha sempre estão dispostos a criar novas maneiras de servir ao Senhor.

“Assim também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer. “ (Lucas 17:10)

No contexto, está falando do dever do perdoar nosso irmão quando falhar contra nós. Perdoar é fazer o bem a mim mesmo.

CONCLUSÃO

Que tipo de cristão você deseja ser? Qual são seus sonhos para com Deus?
Que tipo de marido você deseja ser? Que tipo de esposa?
Que tipo de filho?

Aonde você quer chegar? Na mediocridade, no “todo mundo faz”, na primeira milha, onde se encontra a maioria ou, na segunda milha, onde passaram pessoas como Paulo, Pedro, Timóteo e, principalmente, Jesus?

Aponte para Jesus – passaremos a eternidade e enquanto não chegamos lá, sempre haverá algo a melhorar.

Mas, tenha a certeza, tendo Jesus, a excelência, caminhando a segunda milha, como ele caminhou, ao chegar ao céu, chegará lá uma pessoa muito melhor do que era quando começou a caminhar ao lado do Senhor, pois caminhou ao lado da PERFEIÇÃO, DO MELHOR, DA EXCELÊNCIA, DA SEGUNDA MILHA, caminhou nas pegadas de Jesus (1 Pedro 2:21).